sagrado_060821

“Um amante com toda paixão de um verdadeiro amor”

Quando tentamos compreender a Deus, compreender o incompreensível, vemo-lo como fonte de todo o ser e, ao mesmo tempo, aquele que ama com paixão. Bento XVI, na Deus caritas est,  quando começa a dissertar sobre o Mistério de Deus escreve: “Por um lado, nos encontramos diante de uma imagem estritamente metafísica de Deus: Deus é absolutamente a fonte originária de todo ser;  mas esse princípio criador de todas as coisas, o logos, a razão primordial – e, ao mesmo tempo um amante com toda paixão de um verdadeiro amor” (Deus caritas est, n.10). Um amante a se insinuar em nossas vidas.

Somos buscadores do Mistério, peregrinos do Altíssimo, gente que tem perguntas a arder no peito. Triste quando acabam as perguntas que queimam a garganta e ficam apenas respostas secas, frias e mortas, sempre soluções do momento, provisórias. E a gente se acostuma com as respostas que se coloca em caixinhas fechadas.  Não há mais surpresas.  O problema da religião está resolvido. Não se fala mais. Vai assim e pronto.

Os homens e mulheres de todos os tempos sempre sentiram saudade de Deus. As escrituras falam dessa presença do Deus amor. Oseias nos leva para o deserto, somos a esposa que o Esposo atrai. Ele quer falar ao nosso interior. Núpcias de amor. E amam os que fazem delicadamente a sua vontade. Buscar a Deus, viver com Deus é escrever a dois e a muitos uma história de amor.

“Como te abandonarei, ó Efraim? Entregar-te-ei, ó Israel? O meu coração dá voltas dentro de mim, comove-se a minha compaixão Não desafogarei o furor de minha cólera, não destruirei Efraim; porque sou Deus e não um ser humano, sou o santo no meio de ti” (Os 11, 8-9).

Viemos do amor e para o amor nos dirigimos. O Deus belo que procuramos no silêncio das grutas, na límpida e persistente leitura das Escrituras, o Deus que resolveu ter carne, ser gente, beber de nossas fontes e sonhar nossos sonhos nasce e é colocado numa estrebaria. Vive falando do Pai, falando com amor sem controle. Morre na cruz. Que mais poderia ter feito? Quer saber a razão de uma certa e grande indiferença de nossa parte.

O segredo de uma vida profundamente feliz só é possível quando se consegue entabular um diálogo com aquele cujo coração dá voltas dentro do peito.

UM AMANTE COM TODA A PAIXÃO DE UM VERDADEIRO AMOR


Frei Almir Ribeiro Guimarães

 

Notícias Relacionadas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print