1

Paróquia do Sagrado celebra 75 anos de sua instalação em Petrópolis

Frei Augusto Luiz Gabriel

Petrópolis (RJ) – O 18º pároco da centenária Igreja do Sagrado Coração de Jesus, Frei Jorge Paulo Schiavini, presidiu a Celebração Eucarística em comemoração aos 75 anos de criação da Paróquia, nesta quarta-feira, 19 de maio, às 18 horas, tendo como concelebrantes Frei Ivo Müller, vigário paroquial, e Frei Abílio Antunes do Amaral, atendente conventual. O coral dos frades do Tempo da Teologia animou a celebração, que contou com a regência do mestre e músico Frei Marcos Antônio de Andrade e de Frei Lauro Both, na condução do harmônio.

Cumprindo todas as normas e exigências sanitárias, por razões já conhecidas, todos os lugares disponíveis da Igreja foram ocupados. Fizeram-se presentes lideranças de movimentos e pastorais e devotos do Sagrado. Nem mesmo o frio da Serra espantou o povo que acompanhou este momento histórico, alguns até mesmo do lado de fora da Igreja. A Santa Missa também foi transmitida pela Rádio Imperial, pelo Facebook e YouTube da Paróquia do Sagrado.

Na acolhida, a comentarista Patrícia Gomes explicou que a celebração faz parte da programação do Ano Jubilar, que além de celebrar a fé e a vida da Paróquia, celebra também 125 anos de presença franciscana em terras petropolitanas. “Junto com as várias intenções e motivações para esta missa, trazemos presente hoje o dia da implantação da Paróquia do Sagrado e a posse do primeiro pároco, no dia 19 de maio de 1946. Trazemos também todos que fazem parte da história da Paróquia do Sagrado e de todos os que frequentam a Paróquia e celebram aqui a fé do Senhor Ressuscitado”, disse ela.

“Que nesta noite possamos render graças a Deus pela nossa fé e pela longa história de vida de fé desta Paróquia do Sagrado Coração de Jesus”, saudou Frei Jorge.

Depois da proclamação do Evangelho do dia (Jo 17,11-19), Frei Jorge fez a homilia destacando essa data celebrativa para os franciscanos e fiéis devotos: “Celebrando hoje os 75 anos da Paróquia, nós lembramos da oração da coleta de hoje, que pede que nós realizemos as obras de Deus. Isso nada mais é do que anunciar o Evangelho e viver a fraternidade da qual nós somos chamados na vida de Igreja e de Paróquia”.

CRIAÇÃO DA PARÓQUIA DO SAGRADO

O pároco lembrou que nos primórdios da criação da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, a Paróquia São Pedro de Alcântara, que abrangia todo município de Petrópolis, celebrava 100 anos. Foi, então, que se deu a criação da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus. Monsenhor Gentil Costa, então vigário da São Pedro de Alcântara fez o pedido para a criação da nova paróquia ao então Bispo diocesano de Niterói (RJ), Dom José Pereira Alves. Hoje, a Igreja Matriz de São Pedro de Alcântara é Catedral da Diocese de Petrópolis, criada em 1946.

O pároco explicou que a motivação para a criação de uma nova paróquia foi a de entregar aos Frades Menores o cuidado pastoral de um rebanho fiel ao trabalho dos religiosos por mais de meio século em Petrópolis. “Para a vida espiritual e pela prosperidade de Petrópolis, uma nova paróquia contribuiria para intensificar a vida religiosa na cidade”, disse, lembrando que na época a população da Cidade Imperial tinha em torno de 80 mil habitantes.

A Paróquia do Sagrado foi instituída em um domingo, 19 de maio de 1946. Conforme registros dos livros históricos do Convento e dos jornais locais, sob os cuidados da Ordem Terceira de São Francisco, Congregação Mariana da Anunciação e das demais associações religiosas da nova Paróquia, depois da celebração da Hora Santa na Catedral, precedeu a Solenidade de Instalação da nova Paróquia, tendo à frente o guardião do Convento do Sagrado, Frei Matheus Hoeppers. “Nesta celebração, o bispo enalteceu o desprendimento do vigário de São Pedro de Alcântara, solicitando da autoridade competente, espontaneamente, a criação da nova Paróquia, tendo em vista a intensa vida religiosa na Igreja do Sagrado Coração de Jesus”, relatou.

Naquela celebração, o Monsenhor Francisco Gentil Costa leu a provisão de vigário da nova Paróquia do Sagrado, declarando Frei Ático Eyng como o primeiro vigário (na época não se tinha o costume de usar o termo pároco). Comovido, Frei Ático afirmou “ser com a maior emoção que proferia pela primeira vez aquelas palavras: ‘Meus queridos paroquianos…’”, recordou Frei Jorge.

Frei Ático foi um dedicado pastor e incansável mestre . “Ele chegou a reunir 1.500 crianças na missa dominical da paróquia”, recordou o celebrante, detalhando: O acompanhamento da Ordem III, ficou a cargo de Frei Mateus. A Congregação Mariana e o Apostolado da Oração ficaram sob responsabilidade de Frei João José. As Filhas de Maria do Colégio Santa Catarina, com Frei Estanislau. A Ação Católica com Frei Mateus, Frei Luiz Gonzaga e Frei Gil Maria. Já Frei Arcanjo esteve à frente dos trabalhos entre os militares e as Senhoras da Liga de Nossa Senhora Auxiliadora.

“Que todas as pastorais, movimentos e todos os que se colocam a serviço da Paróquia nos dias de hoje possam ter a graça do ardor dos primeiros frades que assumiram com dedicação o cuidado pastoral desta Paróquia. Que sintamos todos a profundidade do amor do Sagrado Coração de Jesus na Eucaristia que hoje celebramos”, desejou o celebrante.

Após a comunhão o coral entoou a antífona de comunhão “Deus amou tanto o mundo”, composição de Frei Ademir José Peixer.

O próximo evento das comemorações do Jubileu será no dia 11 de junho, com a solene celebração da festa do padroeiro da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus. A Celebração Eucarísticas das 18 horas, será presidida pelo bispo diocesano, Dom Gregório Paixão, OSB. O Ano Jubilar se estenderá até 9 de fevereiro de 2022.

Notícias Relacionadas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print