imaculada_0712

O sonho de Deus: Imaculada Conceição de Maria

Somos viajantes no tempo da vida. Nascemos no seio de uma família, crescemos, caminhamos, descobrimos outras pessoas, convivemos, cantamos, alegramo-nos, vamos tentando descobrir o sentido de existir. O tempo é dom e mistério. Um dia após o outro e passos que vamos dando. Temos, no entanto, uma convicção muito dolorida. Paulo, o apóstolo, já havia escrito a respeito de um dilaceramento que existe em nós: queremos o bem e fazemos o mal, não queremos o mal e é o mal que praticamos. Verificamos esse fato em nossa história pessoal: nossos amores e nossos ódios, nossas manifestações de carinho e nos ímpetos de destruir os outros à nossa volta. Parece que uma força destruidora nos habita. Parece realmente que somos herdeiros de um desequilíbrio que a todos afeta. Somos seres dilacerados. “Adão, por que te escondes?” E Adão que, antes da falta, caminhava nu pelo Paraíso,teve consciência de que seu coração entrara numa terrível desordem.

Maria, aquela que viria a ser a Mãe de nossa esperança, o Filho do Altíssimo, desde o primeiro momento de sua concepção, foi preservada da desordem, do desequilíbrio interior. Rodopiamos em torno de nós mesmos, dobramo-nos diante de ídolos. Maria, aquela que seria o receptáculo humano da divindade, chama-se precisamente Imaculada, sem mancha, sem desordem interior. Ela perdurou o tempo de sua viagem na limpidez do coração: a serva do Senhor, queria que ela se fizesse a vontade de Deus. A mulher do sim. Agraciada é claro, mas alguém que colaborou com a graça. Deus sonhou com uma mulher toda transparência para ser a Mãe de seu Filho. Ela foi um sonho de Deus.

Ela poderia assim se exprimir: “Aqui estou eu diante de ti, Altíssimo, com minha história e minha trajetória. Sou filha de um povo de fé. Que em mim se faça a vontade do Altíssimo. O que nascer de mim vem de mim e vem do desígnio amoroso de Deus. O Senhor fez em mim maravilhas. Não tenho outro desejo senão ser a serva do Altíssimo. O que se opera em mim é obra do amor. O Senhor fez em mim a maravilha de um coração reto apenas desejoso dele. O Senhor, de fato, fez em mim maravilhas”.

“Que direi, que elogio farei da Virgem ilustre e preclara? Ela é superior a todos, com exceção de Deus; por natureza é mais formosa que os querubins, serafins e todo o exército angélico. Nem a língua do céu, nem a da terra, ou mesmo a dos anjos são suficientes para louva-la. É santíssima Virgem, pomba pura, esposa celeste, Maria, céu, templo e trono da divindade! O Cristo, sol que resplandece no céu e na terra, te pertence! Eis a nuvem luminosa que fizeste descer do céu o Cristo, raio brilhante para iluminar o mundo. Ave, cheia de graça, porta do céu, da qual o autor do Cântico declara entusiasmado em seu discurso: “És jardim fechado, minha irmã, noiva minha, és jardim fechado, uma fonte lacrada (Ct 4, 12). A Virgem é o lírio imaculado que gerou o Cristo, rosa imarcescível. Ó santa Mãe de Deus, ovelha imaculada, que deste à luz o Cordeiro, o Cristo, o Verbo encarnado em ti. Ó Virgem santíssima que encheste de espanto os exércitos angélicos! Prodígio estupendo nos céus: uma mulher revestida de sol, trazendo nos braços a luz! Prodígio estupendo nos céus: o tálamo nupcial acolhendo o Filho de Deus! Prodígio estupendo nos céus: o Senhor dos anjos se tornou o Filho da Virgem. Os anjos acusavam Eva; agora cobrem Maria de glória, pois ergueu Eva de sua queda e fez entrar no céu Adão que fora expulso do paraíso. É ela a medianeira do céu e da terra, nela se realizou a sua união” (Santo Epifânio, bispo, Lecionário Monástico I, p, 562-563).

“Deus deu a Maria o seu próprio Filho, único gerado de seu coração, igual a si, a quem amava como a si mesmo. No seio de Maria formou seu Filho, não outro qualquer, mas o mesmo, para que, por natureza, fosse realmente um só e o mesmo Filho de Deus e de Maria! Toda a criação é obra de Deus, e Deus nasceu de Maria. Deus criou todas as coisas e Maria deu à luz Deus! Deus que tudo fez, formou-se a si próprio no seio de Maria. E deste modo refez tudo o que tinha feito. Ele que pode fazer tudo do nada, não quis refazer sem Maria o que fora profanado” (Santo Anselmo, bispo, Lecionário Monástico I, p. 553-554).

“Salve, Senhora santa Rainha, santa Mãe de Deus, Maria, virgem convertida em templo, e eleita pelo santíssimo Pai do céu, consagrada por ele com o seu santíssimo amado Filho e o Espírito Santo Paráclito; que teve e tem toda a plenitude da graça e todo o bem! Salve, palácio de Deus! Salve, tabernáculo de Deus! Salve, casa de Deus! Salve, vestidura de Deus! Salve, Mãe de Deus. E vós, todas as santas virtudes, que pela graça e iluminação do Espírito Santo sois infundidas no coração dos fiéis, para, de infiéis que somos, nos tornardes fiéis a Deus” ( São Francisco de Assis).

Frei Almir Guimarães

Notícias Relacionadas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print