20231117201705_IMG_8030

“O órgão de Tubos da Igreja do Sagrado está preparado para a impressionante celebração dos seus 100 anos”

Petrópolis voltou a contar com a melodia e a emoção proporcionadas pelo órgão de tubos centenário da Igreja do Sagrado após quatro anos de restauro, na noite desta sexta-feira, 17 de novembro. A revitalização do instrumento foi possibilitada por meio de uma campanha coletiva que mobilizou centenas de fiéis e foi celebrada com sua bênção, além de um concerto do maestro e organista Marco Aurélio Lischt. O evento foi gratuito e aconteceu na sexta-feira passada (17), às 19h30, no Sagrado, com transmissão simultânea pelo YouTube e Facebook da Paróquia.

Para o Frei Jorge Paulo Schiavini, pároco da Paróquia do Sagrado, o término do restauro simbolizou a realização de um grande sonho: dar continuidade a uma rica e longa história de fé e arte. “Reinaugurar o órgão de tubos trouxe a satisfação de novamente conviver com o som desse instrumento único que preenche toda a Igreja do Sagrado e o coração das pessoas que aqui celebram. Esse mesmo órgão fez parte de inúmeras celebrações e, em seus quase cem anos de história, recuperou seu esplendor original”, pontuou.

Sobre o processo de restauro

Responsável por coordenar o restauro do órgão, fazer sua entonação e afinação em conjunto com Anthony Becker, o Frei Lauro Both contou que, em 2018, veio para Petrópolis com as ferramentas e máquinas disponíveis para o trabalho e que, no Instituto Teológico Franciscano, instalou uma oficina de marcenaria para auxiliar no projeto. Gratificante, o trabalho, segundo ele, foi resultado das qualidades de um restaurador que envolvem “a prudência, reversibilidade, humildade, transparência e manutenção”.

Além de Frei Lauro, estiveram envolvidos na reforma Luiz Carlos Schanuel, no revestimento branco novo das teclas manuais; Luciana Lopes e Poliana Reis no restauro do móvel da consola, plaquetas e caixa do órgão, pintura dos tubos da fachada e flautas, bem como a construção de plaquetas de porcelana. Roman Reinski, por sua vez, foi quem montou o instrumento. A Igreja do Sagrado está localizada na Rua Montecaseros, número 95, no Centro de Petrópolis.

O Órgão de Tubos

Construído pela firma Klais na cidade de Bonn, na Alemanha, no ano de 1924, o órgão da Igreja do Sagrado Coração de Jesus chegou a Petrópolis em abril de 1925. Em 1972, o instrumento, modelo Opus 628, passou por sua primeira reforma em 1995, foi revisado pelo organeiro Frei Lauro Both, também responsável pelo restauro recém-concluído. Acompanhado pelo INEPAC, o projeto recuperou a sonoridade original do órgão que, naquela sexta-feira, foi reinaugurado após um longo período de espera e expectativa.

A Celebração

Com a presença de inúmeros fiéis e admiradores, deu-se início à celebração de bênção do instrumento. Conduzindo a celebração, estavam Frei Jorge Paulo Schiavini, pároco, Frei Marcos Antonio de Andrade e Frei Gustavo Wayand Medella, vigário provincial. Sob a regência de Marco Aurélio Lischt, regente do Coral dos Canarinhos, o Coral dos Frades iniciou a celebração entoando um canto de ação de graças a Deus pelo trabalho realizado, o qual se celebrava naquela noite.

Tomando a palavra, Frei Jorge acolheu a todos os presentes e já antecipava em sua saudação os agradecimentos à empreitada realizada por seu confrade, Lauro Both, grande responsável pelo monumental restauro do órgão de tubos.

Adiante na celebração, Frei Jorge descreveu como se sucedeu todo o processo do restauro, a partir do relatório feito por Frei Lauro, ressaltando passo a passo que foi dado, o trabalho executado na revisão de peça por peça, bem como a cooperação de algumas pessoas que participaram do restauro a partir de trabalhos específicos necessários para que o instrumento pudesse voltar a ser utilizado completamente nas ações litúrgicas.

Durante os anos que decorreram o processo, não faltaram também adversidades, contou Frei Jorge:

“Não faltaram algumas adversidades nesse processo: a pandemia, que atrapalhou o trabalho; pois como ter ajudantes quando havia a necessidade de isolamento para a preservação da vida? Frei Lauro passou também por um período de tratamento de saúde, que exigiu repouso e interrupção dos trabalhos. Houve também o roubo dos tubos de tração de ar.”

Ressaltando, porém, a perseverança do frade que o fez seguir em frente com o trabalho desempenhado: “Tudo isso foi vencido com paciência, determinação, humildade e persistência.”

Concluindo sua fala, Frei Jorge ressaltou a importância deste trabalho como um legado às futuras gerações, bem como agradecendo a todas as pessoas que se mobilizaram em prol desta causa:

“Quatro anos de trabalho, quatro anos de tratamento e cuidado, podem parecer muito. Mas é pouco diante do legado que vai ficar para as próximas gerações. O órgão de Tubos da Igreja do Sagrado está preparado para a impressionante celebração dos seus 100 anos. E também está ‘em forma’ para mostrar a beleza da música e acompanhar a oração das pessoas que o ouvirem quando nesta Igreja vierem cultivar o relacionamento com Deus.
Nada disso seria possível se não tivéssemos a colaboração e a fidelidade de centenas de pessoas que deram suporte financeiro a esse empreendimento. Também, algumas instituições contribuíram com o restauro. Algumas dando apoio e outras divulgando e promovendo ajuda.”

A celebração seguiu com o rito da bênção do órgão, com a oração que diz:

“Senhor Deus, beleza sempre antiga e sempre nova, cuja sabedoria governa o mundo e ornamenta com bondade as ordens Angélicas vos louvam obsequiosos ao vosso aceno; todos os astros vos cantam ao ritmo dos vossos preceitos, e todos os libertos da Redenção de Cristo vos proclamam Santo, celebrando-vos com a voz, o coração e a vida em alegre exultação. E nós, vosso povo Santo reunidos neste lugar, desejamos juntar-nos ao concerto Universal e, para que suba até vós mais dignamente o hino do nosso louvor, oferecemos esse órgão à vossa bênção, com a intenção de vos entoar ao seu som harmoniosamente os vossos louvores e as nossas preces, por Cristo, o nosso Senhor.
Amém.”

Em seguida, o coral dos frades entoou o salmo 150, convidando a assembleia reunida ao louvor de Deus, enquanto o presidente da celebração incensava e aspergia o instrumento musical.

Concluído o rito da bênção, deu-se início ao concerto. O organista Marco Aurélio Lischt executou o seguinte programa:
Nikolaus Bruhns (1665-1697) – Prelúdio e fuga em mi menor
S. Bach (1685-1750) – Wachet auf, ruft uns die Stimme BWV 645
Cesar Franck (1822-1890) – Prelúdio, fuga e variação op.
18 Louis Vierne (1870-1937) – da Sinfonia 1 – Allegro Vivace
S. Bach (1685-1750) – Tocata e fuga em ré menor BWV 565

Por fim, Frei Jorge convidou Frei Lauro Both a vir à frente de todos para receber um vaso de orquídea e os devidos agradecimentos e aplausos como sinal de gratidão pelo serviço ofertado à comunidade, assim como ao organista Marco Aurélio pela apresentação.

 

 

Antes ainda da bênção final e despedida, Frei Gustavo enalteceu o trabalho de seu confrade a partir das falas de Santo Antônio e de São Francisco, respectivamente: “Cessem as palavras e falem as obras” e “Pregue o Evangelho, e se necessário, use palavras”, qualificando assim a execução desta obra como um serviço em favor do evangelho, uma obra de evangelização.

Concluída a celebração, as pessoas presentes puderam subir junto ao instrumento para conferir de perto o funcionamento do instrumento musical, assim como ver de perto o resultado da reforma realizada.

Você também pode assistir/rever à celebração a seguir:

Clique aqui e confira a galeria de imagens deste dia.
Texto: Carolina Freitas e Frei Bruno Cezário, OFM
Fotos: Frei João Manoel Zechinatto, OFM

Notícias Relacionadas

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Print