pascoa_2

“Celebrar a Páscoa é ver o Ressuscitado hoje em nós e em nossos gestos”, diz Frei Marcos

“Com muita alegria hoje nos reunimos no Domingo da Páscoa e da Ressurreição do Senhor. Ele ressuscitou. E por causa da ressurreição a nossa fé e a nossa vida tem sentido. Nós somos salvos por Ele e também fazemos com Cristo a nossa Páscoa”. Foi com essa motivação que Frei Marcos Antônio de Andrade presidiu a Celebração Eucarística do Domingo da Páscoa, neste dia 17 abril, às 10 horas, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus de Petrópolis (RJ). Como de costume, a Santa Missa teve a presença do Coral dos Canarinhos, sob regência do seu maestro titular, Marco Aurélio Lischt. E mais uma vez, a igreja esteve lotada!

No momento do Ato Penitencial, como prolongamento da missa da Vigília Pascal, Frei Marcos fez a aspersão da água abençoada na noite anterior, relembrando o batismo. “Nós somos mortos para o pecado e renascemos para uma vida nova”, disse.

Após a leitura do Evangelho do João (20,1-9), que relata o episódio em que Jesus devia ressuscitar dos mortos, Frei Marcos iniciou sua homilia lembrando da preparação feita durante toda a caminhada quaresmal de 40 dias de espera. “Hoje se celebra a Páscoa anual, o sentido da nossa fé: Cristo ressuscitou por isso estamos aqui”, disse.

Repetiu então um trecho da sequência de Páscoa, que assim diz: “Vi Cristo ressuscitado. O túmulo abandonado. Os anjos da cor do sol. Dobrado no chão o lençol. O Cristo que leva aos céus. Caminha à frente dos seus”. Segundo Frei Marcos, o Senhor hoje nos quer recordar do verbo ver.

“Nós acompanhamos Maria Madalena que vai bem cedo ao sepulcro e vê a pedra. Ela não entrou. Viu e logo saiu correndo avisar os outros, que não sabiam o que tinha acontecido com o Senhor. Depois nós vimos Pedro e outro discípulo que se supõe que seja o próprio evangelista João, o mais novo, que vão correndo ao túmulo desesperadamente. Imagine só, levaram o Senhor! Um chega primeiro, olha para dentro, vê as faixas de linho no chão, mas também não entrou”, recordou o franciscano.

É VERDADE, ELE RESSUSCITOU

Para Frei Marcos, a fé tem tudo a ver com o ver. Adiantou que os evangelhos dos próximos domingos vão relatar também está experiência. “Nós podemos ver como Madalena, mas não entrar no sepulcro. Podemos ver como o discípulo que chegou primeiro, que observa as coisas, mas não entra no sepulcro. Podemos ser como Pedro, que entra de cabeça e percebe que Ele não está mais lá, que algo aconteceu de fantástico na vida, mas, podemos ser como João, que entra, vê e diz: É verdade, Ele ressuscitou”, destacou.

Segundo o presidente da celebração, durante todo o Tempo Pascal, os evangelhos vão apresentar a dinâmica de uma fé que deve ser visível, tocável. “O amor se toca, se abraça, se beija, se cuida como Jesus fez, o amor é assim”, refletiu.

“Celebramos a Ressurreição do Senhor, a Páscoa do Senhor é ver tudo aquilo que o Senhor fez e continuar vendo o ressuscitado hoje em nós, em nossos gestos. É por isso que estamos aqui, é por isso que temos fé, porque a fé e o amor não são ideias, vem de uma experiência humana. É daí que nasce a esperança, o sentido de viver, inclusive é assim que passamos a dar um sentido novo à morte, que é uma passagem, ao sofrimento, que acompanhamos no Tríduo Pascal durante todas as celebrações”, sublinhou, acrescentando que o que aconteceu com o Senhor, foi resultado da sua vida, de uma vida de vivência de um único mandamento, que contempla todos os outros: o amor.

Cada o Eucaristia é uma Páscoa que se celebra, cada domingo é a uma Páscoa semanal. “Nós queremos pedir ao Senhor ressuscitado, que ele continue sendo para nós essa luz que ilumina os caminhos tão difíceis. Ele é essa luz, ele está aqui iluminando os nossos passos, os nossos caminhos, os nossos sofrimentos, nos provocando a fazermos com ele nossa Páscoa cotidiana, as nossas passagens para a vida”, concluiu.

A missa teve continuidade com a oração do Credo Niceno-constantinopolitano, preces e liturgia eucarística. Após a comunhão, o Coral dos Canarinhos entoou a música “O sacrum convivium” de Domenico Bartolucci.

No final da celebração Frei Marcos agradeceu a presença de todos e em nome do guardião, Frei Jorge Paulo Schiavini, desejou boas festas! A solene bênção final findou a celebração.

Frei Augusto Luiz Gabriel | PASCOM da Paróquia do Sagrado

Notícias Relacionadas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print