jubileu_060821 (2)

Celebração do Ano Jubilar recorda a história das imagens que adornam a Igreja do Sagrado

Frei Augusto Luiz Gabriel

Petrópolis (RJ) – Na Festa da Transfiguração do Senhor (6/8), a comunidade do Sagrado celebrou o Jubileu de 125 anos de presença dos frades menores franciscanos em Petrópolis (RJ) e os 75 anos de criação da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus. A Santa Missa foi presidida pelo pároco Frei Jorge Paulo Schiavini e foi concelebrada por Frei Abílio Antunes do Amaral, nesta sexta-feira, às 18 horas.

Com a presença de lideranças de movimentos e pastorais, bem como das Irmãs de Nossa Senhora do Amparo que animaram a missa com a condução dos cantos, a celebração mensal do Ano Jubilar, após uma breve pausa no mês de julho, fez memória da história das imagens santas que adornam a Igreja, como o Sagrado Coração de Jesus, o Sagrado Coração de Maria, Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora da Imaculada Conceição.

Antes, porém, Frei Jorge iniciou sua reflexão discorrendo sobre a Festa da Transfiguração do Senhor. Segundo o pároco, quando Jesus toma consigo os apóstolos, Pedro, Tiago e João, se manifesta a eles em um momento de intimidade e oração. “Essa manifestação do Senhor dá a eles a experiência de Deus, concede também a força para que permaneçam com a fé viva durante os momentos difíceis que o Cristo iria passar. Por isso, a transfiguração é também um sinal da ressurreição”, disse. Para Frei Jorge, todos são convidados para este momento íntimo de oração com o Senhor. “Ele também se transfigura a nós através dos sacramentos, na eucaristia, nos momentos de oração em que nos colocamos de todo o coração diante de Deus”, acrescentou.

“A Transfiguração é uma antecipação do esplendor divino que depois vai se manifestar na ressureição, na Páscoa. Vemos que aqueles que sobem o monte com Jesus, são aqueles que aceitaram o seu chamado, que caminharam com ele, que buscaram ouvir a sua palavra e que depois da morte e ressurreição são enviados em missão”, disse. “Nós também somos chamados a fazer esse caminho”, destacou.

Frei Jorge explicou que na 1ª sexta-feira de cada mês, a igreja celebra a devoção ao Sagrado Coração de Jesus e em especial neste ano, a Fraternidade do Sagrado vive o Ano Jubilar. “Junto com a festa da Transfiguração, fazemos a memória da Igreja do Sagrado, onde o Senhor se transfigura para muitas pessoas. Nessa Igreja muitas pessoas fazem a experiência de Deus. Por isso, queremos render graças a Deus por este ‘monte’ que é a Igreja do Sagrado Coração de Jesus”, sublinhou.

O SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Em seguida, Frei Jorge falou sobre a temática do dia fazendo memória da história das imagens que adornam a Igreja do Sagrado. Segundo o celebrante, o Sagrado remete ao Santo, à santidade; o Coração, à humanidade. “Ao coração que pulsa, existe um forte símbolo de vida, de amor, de atenção, zelo e de dedicação. A simbologia do Coração de Jesus indica, pois, proximidade, encontro entre Deus e a pessoa, entre o humano e o divino, entre divino e humano”, ressaltou.

O pároco explicou que o Sagrado Coração de Jesus é representado, desde 1877, pela imagem do altar-mor, que foi reconduzida em nicho próprio, e, desde 1892, também pelo vitral do Sagrado, ao lado direito de quem entra pelo corredor central.

MARIA, MÃE DE JESUS E DA IGREJA

Na Igreja do Sagrado, a devoção mariana está representada pelo vitral do Sagrado Coração de Maria, que desde 1892 ladeia o Sagrado Coração de Jesus. Antigamente, onde hoje é a capela do Santíssimo, havia a Capela de Nossa Senhora das Dores, com a cena alusiva à presença de Maria tendo nos braços o Senhor morto, motivo que na tradição da arte sacra ficou conhecido como Pietá. “A dor de Maria é também a dor das pessoas: a dor das pessoas é representada na dor de Maria”, lembrou Frei Jorge.

Em uma das reformas na Igreja, decidiu-se pela colocação da imagem de Nossa Senhora das Dores na capela dedicada a Santo Antônio de Sant’Ana Galvão. “Essa imagem é muito expressiva, pois demonstra toda a proximidade de Deus e de Maria”. Também é centenária, explicou Frei Jorge, lembrando que a cada década se faz necessário restaurar a imagem, pelo fato de que as pessoas tocam na mesma. “Mas o importante é que as pessoas se sintam tocadas pelo amor de Deus, pela intercessão maternal de Maria”, enfatizou.

“Que possamos sentir, nessa Eucaristia, que celebramos o amor do Sagrado Coração que nos sustenta. Que possamos praticar esse amor em nossa vida”, concluiu.

A missa teve continuidade com as preces seguidamente da liturgia eucarística. Após a comunhão, Frei Jorge convidou a comunidade para rezar pelos falecidos. A bênção final de Frei Abílio encerrou a celebração que foi transmitida pelo Facebook e YouTube da Paróquia e pela Rádio Imperial da cidade.

VEJA MAIS FOTOS DA CELEBRAÇÃO

 

Notícias Relacionadas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print