oswaldocruz_08062021

Capela Nossa Senhora Aparecida – Oswaldo Cruz

A comunidade de fé iniciou-se por volta de 1968 com um desejo de seus moradores em construir uma pequena igreja. Começou com a ajuda da Drª Julieta que cedeu máquinas de costura para que algumas mulheres costurassem e com o dinheiro das vendas das peças costuradas iniciava-se a arrecadação para a construção da igreja.

A comunidade apresentava uma infraestrutura bem precária, com ruas de chão batido, sem nenhum tipo de calçamento, sem água encanada. A vida de seus moradores era muito simples e com grandes necessidades, por isso, Dona Neusa, assistente social da época, trabalhava auxiliando os moradores. Doutor Caique fazia seu estágio de medicina na comunidade e como não havia um espaço dedicado para esse atendimento assistencial, a sala da casa de uma moradora, Dona Nadir Garcia de Souza, acolhia esses profissionais.

Irmã Evarista e Irmã Ester, ambas da Congregação de Santa Catarina, iniciavam a catequese na “praça” da comunidade, onde hoje é a quadra da escola de samba.

Ana Rosa, moradora da Rua Padre Moreira, foi uma grande colaboradora com as vestimentas das crianças para a Primeira Comunhão, pois doava as roupas para aquelas que não tinham condições financeiras para custeá-las e assim poder receber o sacramento. Em época de chuvas fortes em que as ruas se transformavam em um verdadeiro lamaçal, carregavam as crianças com vestes brancas no colo a fim de garantir sua integridade até o momento da celebração da Primeira Eucaristia.

Muitos moradores colaboraram com sua força de trabalho para a construção da Capela Nossa Senhora Aparecida tais como: João Camilo, Casturino, José Garcia de Souza, Sebastião José de Souza, José Antônio de Souza entre outros…

Antes da construção da Capela, as missas eram celebradas em um barraco. O pároco da época colaborou muito com a construção da mesma.

Onde hoje é o salão da igreja, funcionava uma escola da Prefeitura de Petrópolis chamada “Escola Frei Estanislau”.

Por volta de 1973, com a estrutura da Capela pronta alguns estudantes franciscanos bolivianos, Frei José Antônio Rocha, Frei Valentim e Frei Edwin chegaram na comunidade para dar aulas de música, ajudar na escola e formar o grupo de jovens.

Em 1988, época em que ocorreu uma grande catástrofe natural em Petrópolis, com muitos deslizamentos de encostas e enchentes, várias pessoas morreram e muitos ficaram desabrigados. No salão da igreja, foram acolhidos temporariamente os desabrigados.

Com muita fé em Deus, com a interseção de Nossa Senhora Aparecida e o trabalho voluntário de seus fiéis hoje temos duas Capelas na comunidade, uma no alto da escadaria e outra na entrada do bairro. Todos os anos, no dia 12 de outubro são feitas belíssimas procissões que começam na Capela do alto da comunidade até a outra na entrada do bairro.

Este relato é de Nadir Garcia de Souza, as datas mencionadas são aproximadas de acordo com o relato oral.

Fotos: Frei Roger Strapazzon, Festa de Nossa Senhora Aparecida, 2019.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print